São Clemente, o santo padroeiro dos padeiros

O santo redentorista São Clemente Maria Hofbauer teve um papel muito importante na Congregação Redentorista. Foi ele quem contribuiu para a expansão da ordem fora da Itália. No entanto, hoje vamos falar sobre a profissão de padeiro que ele teve na adolescência e que resultou no título de Padroeiro dos Padeiros.

Foi o Papa Pio X, em 1909, cinco anos depois de tê-lo canonizado, que proclamou São Clemente Maria Hofbauer, o Padroeiro de Viena e, também, dos Padeiros, como uma forma de lembrança de sua profissão exercida na juventude.

É interessante notar que foi essa profissão que possibilitou que São Clemente entrasse em um seminário, já que ele era muito pobre e não tinha condições de pagar seus estudos na época. Duas senhoras que o conheceram na padaria de Viena acabaram patrocinando a sua vocação.

São Clemente exerceu essa profissão por três períodos significativos de sua juventude. Dessa fase de sua vida podemos olhar para esse treinamento inicial e perceber algumas luzes para entender como ele se tornou o santo que conhecemos e reconhecemos como um exemplo de perseverança.

Confira:

Na época de Clemente, pães, muffins, pudins e outros produtos assados ​​eram feitos em um forno de “colmeia”, o precursor de tijolo ou barro do forno moderno. O interior do forno de 3 por 5 pés tinha que ser aquecido por um período de cerca de quatro horas por uma lareira de carvão bem cuidado. Quando atingia a temperatura desejada, o carvão quente e bagunçado tinha que ser removido rapidamente para se preparar para assar.

Enquanto o forno esquentava, o padeiro preparava o pão e outros alimentos a serem assados. Ele usava farinha de trigo cultivada localmente e moída por um moleiro local. As temperaturas variavam dependendo da localização no forno, portanto, diferentes tipos de produtos assados ​​eram estrategicamente colocados para obter os melhores resultados. Ainda não havia formas para assar, então os pães feitos à mão em tamanhos diferentes foram jogados no chão do forno de tijolos. Outros tipos de alimentos, como feijão, seriam cozidos lentamente na parte de trás do forno ao longo do dia.

Todo o processo de cozimento era árduo, e as entregas feitas conforme finalizava cada  lote. À medida que terminava um pedido, todo o processo de acender as brasas, aquecer, limpar e assar era repetido, desde antes do amanhecer até o pôr do sol.

Demorou anos, habilidades de observação aguçadas, paciência e perseverança para aprender e aperfeiçoar as habilidades complexas de um mestre padeiro – as complexidades das receitas, manter as temperaturas certas nos fornos temperamentais, sincronizar e gerenciar o cozimento de uma série de itens diferentes no mesmo pequeno forno, relacionamento com o cliente e – acima de tudo – hospitalidade e caridade, pois a padaria era um ímã para os pobres e destroçados do mundo, um lugar onde calor, comida e companhia seriam oferecidos, junto com palavras de conforto e um ouvido atento.

Muitas pessoas entravam e saíam da padaria, como um local movimentado e um ponto focal da comunidade. Aprendizes, fazendeiros, moleiros, entregadores de carvão, padeiros, clientes, entregadores e habitantes da cidade, ricos e pobres, ansiosos para ouvir ou compartilhar histórias iam e vinham ao longo do dia.

Ao refletir sobre a vida de São Clemente Hofbauer, a primeira palavra que pode vir à mente é “perseverança”. Algumas pessoas pensam em perseverança como sinônimo de persistência, mas perseverança é um atributo muito diferente.

Longe da persistência obstinada, a perseverança possui uma qualidade mais profunda e carrega uma conotação de profunda fidelidade e profundo comprometimento. No dicionário Merriam-Webster, perseverança é definida como “esforço contínuo para fazer ou alcançar algo, apesar das dificuldades, fracasso ou oposição … firmeza”. Deveria haver uma foto de São Clemente Hofbauer ao lado dessa definição!

As aptidões que o jovem Clemente aprendeu como aprendiz de padeiro na cidade de Znaim foram, em forma de semente, as mesmas aptidões e capacidades que ele utilizou ao longo de sua vida, em diversos ambientes pastorais, comunitários e políticos.

Vejamos quatro realidades da vida de São Clemente que podem nos inspirar:

Companheirismo

A primeira pista que podemos identificar está no que ele fez. Mais do que bolos ou tortas, os padeiros faziam pão. O pão tem um significado além da mera nutrição. O pão também é significativo no Cristianismo como um dos elementos (junto com o vinho) da Eucaristia. A palavra companheiro vem do latim com “com” + (panis) “pão” .

Como aprendiz de padeiro em uma loja movimentada, Clemente aprendeu a ser companheiro de todos: rico e pobre, mestre e aprendiz, mulher, homem e criança. Como um observador atento, ele teria aprendido a ler as histórias por trás do sorriso cansado do criado, a expressão orgulhosa e cautelosa do rico dono da casa, a postura cansada da empregada doméstica e os olhos famintos e baixos do mendigo. Ele teria aprendido as habilidades do acompanhamento: ouvir, encorajar, fazer a pergunta gentil que solta a língua e liberta o espírito. Ele teria visto as mesmas pessoas, dia após dia, ano após ano, e aprendido o que significa estar lá para o longo prazo.

Paciência

A paciência é certamente uma das qualidades incluídas nesse pacote de qualidades que vão juntas para construir a perseverança. Clemente não era por natureza uma pessoa paciente; na verdade, sabemos por vários relatos que ele tinha um temperamento explosivo e às vezes lamentava sua impulsividade. Mas o pão leva tempo para crescer, e então tem que ser socado e deixado crescer novamente. O processo não pode ser apressado. Esta é uma lição que tenho certeza de que Clemente teria aplicado a outras áreas de sua vida com o passar do tempo. Leva tempo para abrandar um coração e abrir uma mente.

Como padeiro, Clemente também sabe que o que leva dez minutos hoje pode demorar doze minutos amanhã, dependendo do calor do forno ou da umidade do ar. Podemos planejar tudo o que quisermos, mas o trabalho e o tempo são de Deus. Esperar que Deus faça a obra de Deus é um elemento constituinte da perseverança.

Oração

Os padeiros guardam suas receitas como segredos bem guardados. Uma erva específica na porção certa pode ser a chave para o sucesso nos negócios. Clemente sabia que havia uma receita secreta para um pão saboroso e também para um sermão envolvente. Um dos segredos de Clemente era a oração. Costuma-se contar a história de como, no dia da morte de seu pai, a mãe de Clemente o conduziu até um crucifixo, apontou para a imagem de nosso Redentor e disse: “Meu filho, de agora em diante, este é o seu pai. Tenha o cuidado de seguir o caminho que lhe agrada.”

Toda a jornada de vida de Clemente foi de fato marcada por uma confiança inabalável em Deus e o compromisso de fazer a vontade de Deus. Seu relacionamento pessoal com Deus estava no centro de tudo o que ele disse e fez – especialmente em face de seus muitos fracassos pessoais e apostólicos.

A perseverança na oração era o “ingrediente secreto” de Clemente.

Sucesso no fracasso 

Tornar-se um mestre padeiro é o resultado de muitas tentativas e erros. Para realmente ter sucesso, é necessário ter falhado com frequência.

A peregrinação do discipulado missionário de Clemente foi marcada por surpreendentes sucessos pastorais – as instituições fundadas em Varsóvia, a inventiva iniciativa pastoral da missão perpétua em São Benno, a expansão inicial da Congregação do Santíssimo Redentor ao norte dos Alpes, o crescimento de a comunidade leiga de Oblatos. E cada um desses sucessos acabou falhando devido a forças políticas além do controle de Clemente. Milagrosamente, quando olhamos para trás com uma retrospectiva de duzentos anos, não vemos fracasso, mas sucesso. Por quê? Sua perseverança é considerada um sucesso por seus irmãos e irmãs que o consideram modelo e mentor.

O fermento adicionado à Congregação por São Clemente Hofbauer continuou a trabalhar na “massa”, animando-nos, adicionando sabor e cor, chamando-nos a uma resposta missionária criativa, capacitando-nos a ser verdadeiros “companheiros” – pão- para os outros no caminho.

Fonte: Adaptado de One Body, Centro de Espiritualidade Redentorista, Anne Walsh.

Notícias Relacionadas